PR Convida: Marcel Facetto

Essa semana circulou na internet um vídeo feito pelo Alex Chacón, um viajante que registrou seus 600 dias, 36 países e 202.697 quilômetros viajados com uma GoPro e o resultado é um vídeo SENSACIONAL (que você vê clicando aqui) com pequenos momentos e lugares por onde o Alex passou durante essa baita viagem!

Aproveito para compartilhar um vídeo feito pelo meu amigo Marcel Facetto, que também utilizou uma GoPro durante um mochilão de 28 dias pela América do Sul, e registrou de forma MUITO criativa essa viagem que revela paisagens surpreendentes de 20 cidades pela Bolívia, Chile e Peru em 360 graus!

Alguns momentos dessa viagem incrível:

1002638_10201935667381588_684593815_n

Valle de la Muerte

995925_10202066007800017_1063375396_n

Caminho para Aguas Calientes

1237161_10202003301152390_49783822_n

Valle Sagrado

554558_10202012875471742_1077161446_n

Machu Picchu

 

 

 

 

 

 

 

Greetings from California!

Olá! Fiquei ausente aqui no blog nessas duas últimas semanas por um bom motivo: vim morar em Los Angeles, na Califórnia. :)

E estou encantada com tudo que tenho visto e vivido aqui, meu fuso-horário ainda está meio atrapalhado (aqui são 6 horas atrasadas), por isso e outros motivos, minha dedicação aqui no blog caiu um pouco (afinal, tem tanta coisa nova me esperando do lado de fora…).

DSC07839_1

Eu normalmente não faço posts sobre minha vida pessoal (porque ela é bem normal e simples), mas às vezes me dá vontade de compartilhar algumas ideias além do meu círculo diário de amigos e familiares.

Quando meus pais se casaram, eles começaram sem perceber, um ciclo infinito de viagens e possibilidades na nossa família. Com a moto do meu pai, barraca na mochila e muita disposição, eles desbravaram cidades, montanhas, cachoeiras, praias e outras diversas paisagens pelo território do Brasil.

Conforme o tempo ia passando e soma de quilômetros rodados aumentava, eles foram em busca de uma barraca maior, e maior, e maior… Até que eu nasci! E aí com dois meses de vida eu caí na estrada também. :)

Depois das barracas, vieram os traillers, os motorhomes e a as viagens cada vez mais longas também! <3

DSC04429_1

As inúmeras oportunidades que eu tive desde muito pequena de ter contato com os animais, a natureza, as comidas, os sotaques diferentes fizeram de mim uma pessoa cada vez mais curiosa e insaciável. Existe uma palavra em alemão que consegue traduzir esse desejo maior: WANDERLUST. Nessa expressão o termo “wandern” significa “vagar” e “lust” significa “desejo”. Juntos, esse termos representam essa vontade infinita de viajar e conhecer o mundo.

Já passei o Réveillon dentro da barraca sem poder sair porque caia uma chuva torrencial em Santa Catarina, já fiquei horas e horas sem energia e tomei muito banho frio no Espírito Santo, já dormi no meio da estrada e rodei dias inteiros pelas estradas da Bahia, já subi no ponto mais alto de uma favela do Rio de Janeiro, já peguei frio de 3 graus em Curitiba, já fiz trilha até os cânions no Rio Grande do Sul, já fui pra Brasília sozinha em busca de inspiração, já dormi em um quarto com oito pessoas (quatro roncavam) em um hostel em Buenos Aires, já pisei na última (e esquecida) cidade do sul do Brasil, o Chuí. Mas ainda quero conhecer o Oiapoque…

A cada novo lugar, a vontade de viajar só aumenta. A cada nova viagem, me apaixono ainda mais por todos os lugares que conheço e, também, os que ainda não conheci. Sigo viajando e vivendo.

O mundo é tão grande:
“Para viajar basta existir.”

Fernando Pessoa

The Move, Eat & Learn Project

Três caras, 44 dias, 11 países, 18 voos, 61.000 km e uma ótima ideia! Os registros de uma viagem que se tornaram mais do que uma lembrança, eles ensinam e aguçam os sentidos. Esse projeto sempre me inspira, e acho que ele tem a ver com o espírito que quero passar aqui, então resolvi compartilhá-lo. :)
Por Rick Mereki (diretor, produtor, câmera e editor), Tim White (produtor, editor, e som) & Andrew Lees (ator)

 

You only live once

(foto por Marina Viabone)

“A viagem não acaba nunca. Só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. Quando o visitante sentou na areia da praia e disse:’Não há mais o que ver’, saiba que não era assim. O fim de uma viagem é apenas o começo de outra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na primavera o que se vira no verão, ver de dia o que se viu de noite, com o sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso voltar aos passos que foram dados, para repetir e para traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre.”

JOSÉ SARAMAGO