7 Meses de Primeiro Rabisco

E já são 7 meses de vida do Primeiro Rabisco! Um projeto que comecei meio sem saber aonde ia dar, sem saber se ia agradar e o que eu iria postar aqui. E que até agora conquistou mais de 7 mil visualizações. :)

O Blog é minha válvula de escape das coisas, nem sempre legais, do dia-a-dia. É o espaço que eu encontrei para falar, mostrar e compartilhar o que eu penso, admiro e, às vezes, o que produzo.

Já pensei em desistir, procrastinei, fiquei com medo dos julgamentos dos outros… Mas não existe o certo e errado, existe os que fazem alguma coisa e os que não fazem nada mudar. Começou despretencioso e é assim que vai continuar! ;)

Muito obrigada a todos que me apoiam, elogiam, criticam, dão sugestões, e um obrigada maior ainda aos que participam e dividem aqui suas histórias, trabalhos e experiências no Primeiro Rabisco Convida! O Blog é pequeno, e é só o começo… Mas ele já foi mais longe do que eu jamais imaginei! <3

 

COMEMORAÇÃO

OBRIGADA!!

 

 

Take a seat , make a friend

Hoje eu quero falar especialmente de uma agência, a SoulPancake, eles são especialistas em criar projetos que abrem a mente, mexem com o coração e nos mostram a nossa responsabilidade em sermos humanos e como isso é bom!

Take a seat and make a friend! (Sente-se e faça um amigo!) Quando somos crianças é muito fácil nos conectar com qualquer pessoa, mas a medida que vamos ficando mais velhos fica mais difícil chegar em qualquer lugar fazer amizades. Pensando nessa dificuldade que nós mesmos criamos, o pessoal da SoulPancake colocou uma piscina de bolinhas no meio de uma rua com o intuito de fazer com que o transeuntes  se conhecessem, coisa que não aconteceria em um dia normal. :)

O vídeo não tem legenda em português, mas as pessoas que topam o desafio de mergulhar na piscina de bolinhas com um estranho tem algumas “metas” a cumprir. Nas bolas maiores estão escritas algumas perguntas que cada um deve fazer ao outro, para assim a conversa fluir com mais naturalidade. Por exemplo, a dupla tem que achar algo em comum, contar como foi a primeira vez em que se apaixonaram por alguém, entre outras, e no final criar um aperto de mão secreto. <3

Para conhecer mais sobre a soulpancake, e seus projetos criativos clique aqui no site e assine o canal deles no youtube para receber muitas doses de cultura, arte, humor, ciência e filosofia!

Tenham um ótimo dia!

PR Convida: David Santana

Hoje temos aqui no blog outro parceiro/convidado/amigo. O David trabalha com Publicidade e Comunicação, mas nas horas vagas preenche seu blog pessoal “Ideias Nobres, Versos Pobres”  com versos nada pobres! O blog dele tem mais de 300 poemas e reflexões sobre diversos temas e muita sensibilidade. :)

 

David Santana Neves

27 anos

Redator publicitário, Planejamento estratégico em eventos e Culture Marketeer. De tudo um pouco no mundo da comunicação.

Minhas principais influências são… “Meu avô João, Quintana, Drummond, Leminski, Manuel Bandeira, Oscar Wilde, Dom Quixote, Dom Casmurro, Rock’n Roll e Música Brasileira de qualidade.”

No futuro eu quero… “Dar a volta ao mundo num balão.”

O David se expressa muito bem transitando pelas possibilidades que a língua portuguesa oferece, criando rimas e ritmos bem interessantes em seus poemas.

Apelo

“Amor à flor da pele

Quando te vejo sinto um arrepio na pele.
Apele para mim – beijar – toda a pele sua.
Sua pele é minha, minha pele sua.
Apelo para te beijar onde há pêlo, onde pele há.

Apele para me dar… Há pele sua sobre mim
Minha pele sobre você – apelo sim
…e no fim do apelo, arrepio e fim.”

Avoado

“O amor foi visto por aí, voando.

Perdidos somos nós, passarinhos que ainda não aprenderam a voar. E apressados por sermos novos demais, pulamos para o galho mais próximo só porque o que estamos balança.

Perdidos somos nós que temos mapas, tecnologia, guarda-chuva, conta-gotas, e estamos cada vez mais infelizes. Fabricamos asas como se pudéssemos enganar a natureza, tiramos os pés do chão, mas ao invés de voar, viramos de ponta-cabeça.

Ele continua por aí, voando, pousando, em seu caminho. Distraído, avoado. Querendo se multiplicar.

A culpa não é do amor, é dos amadores.”

 

post0026-1 (3)

Eu Rio

“Entre Copacabana e Ipanema nascem amores, calores, poemas. É lá do alto, Arpoador, calor, amor. Pôr do sol, nascer e te ver partir.

Todo dia o mundo morre um pouquinho e se acaba mansinho pra nascer pra lá. Abraço os joelhos e apoio o queixo imóvel te vendo partir, enquanto lá embaixo vejo as ondas levarem os que desafiam.

Agora eu entendo a bossa e suas garotas, suas curvas, suas orlas.

O bom é estar ali, aplaudir, te ver ir. Ah como eu rio, e rio alto. Ah Rio, que saudade de ser seu.

Lento é o vento do adeus.”

Uma sociedade

“Sorrir com você, acordar com você.

Ir dormir e deixar o tempo me envolver.

Levo as horas a sério, não perco nenhum segundo.

No primeiro minuto você já é minha.

Quero comer ao seu lado, andar no mesmo jardim e colher a sobremesa.

Ver o sol nascer, os filhos crescer…Ver tudo mudar, sentados na varanda.

Adoro esse vaivém de gentilezas. Sintonia é uma palavra que junta tudo, e transborda meu corpo num lugar ideal para receber um sorriso… Te declaro culpada por muitos deles.

Dividir. Cozinhar. Viajar. Juntos!

Quer ser minha sócia? Fiz minha proposta!”

!

Quem entende o coração de um jovem senão ele mesmo?

Essa frase acima é de autoria da Patti Smith. Ela é uma cantora, compositora, poeta e artista visual que se consagrou durante o movimento punk na década de 70. A geração dela deixou um legado importante, como o movimento das mulheres, o engajamento social presente na cena musica, e o traço cultural que veneramos e que foi o impulso para muitas coisas que fazemos e conhecemos hoje em dia.

post0025-1

(Na foto Patti Smith clicada por Robert Mapplethorpe)

Quem ainda não leu o livro “Just Kids” (ou “Só Garotos”, traduzido para o português) deve ir agora na livraria mais próxima e comprá-lo! Além de fazer uma declaração para o grande amor de sua vida, Robert Mappethorpe, Patti conta histórias de como era sua rotina e busca pela sobrevivência na década de 70 pelas ruas de Nova York.

Apesar de todas as dificuldades, Patti e muitos outros artistas da época acreditavam nas mudanças e no poder das pequenas ações que fazemos para realizar nossos sonhos. O mundo é de todos nós e ele precisa da nossa fé e disposição para começar a se transformar.

Esse vídeo tem rodado pela internet nas últimas semanas e é um projeto muito legal! Ele mostra como as diferentes gerações pensam em relação ao futuro do mundo em que vivemos. Ainda dá tempo pra acreditar, mudar e fazer história. 

Quem pode acreditar e entender nossos corações jovens senão nós mesmos? :)

You only live once

(foto por Marina Viabone)

“A viagem não acaba nunca. Só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. Quando o visitante sentou na areia da praia e disse:’Não há mais o que ver’, saiba que não era assim. O fim de uma viagem é apenas o começo de outra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na primavera o que se vira no verão, ver de dia o que se viu de noite, com o sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso voltar aos passos que foram dados, para repetir e para traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre.”

JOSÉ SARAMAGO

Primeiro Rabisco

Marina

Eu era muito pequena quando dei meu primeiro rabisco, e as tardes rabiscando com giz de cera e testando formas com blocos de lego foram definitivas na escolha da minha profissão e do que eu gosto de fazer.

Sou formada em Arquitetura e Urbanismo pela Belas Artes, mas nunca me restringi à arquitetura, sempre buscando referências exteriores. Hoje, meu trabalho se mistura com grafitti, design de interiores,  fotografia e até mesmo com moda. Todo tipo de arte que traz um novo sentido à vida me interessa.

Agora, senti a necessidade de prolongar algumas criações, filtrando informações, ensinando, aprendendo, retratando, repensando e mudando. Esse é o meu primeiro rabisco em uma nova plataforma, aberta a sugestões, colaborações e parcerias.

“Feliz daquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina”
CORA CORALINA